A regulamentação da terceirização: fator essencial paradesenvolvimento do país.

Vitor Vieira*

O Projeto de Lei n° 4.302/1998, aprovado recentemente pelo congresso nacional, aprova regras claras para a terceirização, regulamentando essa prática, que há muito tempo, faz parte da realidade na estrutura produtiva do Brasil. O tema constitui matéria polêmica e sua discussão se arrastou ao longo de muitos anos até o presente momento. A aprovação da medida pelo congresso, principalmente levando-se em consideração o contexto político conturbado atual, levanta questões que muitas vezes se afastam do cerne da questão.

O fato é que a obsoleta legislação trabalhista de nosso país, mais especificamente no âmbito da terceirização, a falta de lei que regulamente essa prática comum no setor produtivo, cria um campo vasto de interpretações jurídicas que causa insegurança nos jurisdicionados e influencia negativamente o ambiente de negócios limitando a confiança no crescimento da economia do país.

O texto aprovado soluciona o principal foco de conflito jurídico nos contratos de terceirização, que é a distinção entre a atividade meio e atividade fim. Dessa forma, a aprovação de regras claras para a terceirização dá segurança às empresas e maior clareza em relação aos direitos do trabalhador.

Passado o mérito atinente a modernização da legislação, vêm a discussão ideológica sobre o tema. A terceirização está intrinsecamente ligada à divisão do trabalho e à busca por uma maior eficiência produtiva. A medida em que se torna possível a existência de um maior número de empresas especializadas em prestar os diversos tipos de serviços, como consequência, haverá mais pessoas proprietárias dos próprios negócios, inclusive empresas familiares, o que acaba por incentivar a promoção do empreendedorismo no país beneficiando principalmente os profissionais mais competentes em suas funções.

Por mais polêmico que seja o tema acerca da terceirização, é fundamental ao menos assegurar a sua regulamentação. A omissão como observada ao longo de todo esse tempo não gerou benefício algum nem para o patrão nem para o empregado, muito menos para a economia do país. Por fim, é necessário sempre preservar a liberdade do empreendedor, e a regulamentação da terceirização possibilita que pequenos negócios participem cada vez mais de cadeias produtivas como prestadores de serviços, sem deixar de observar a segurança jurídica dos contratados e dos contratantes.

*Vitor Vieira é estudante de Administração Pública na Fundação João Pinheiro (FJP/MG), estudante de Ciências Contábeis no Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC/MG) e trabalha no gabinete do Vereador de Belo Horizonte Mateus Simões (NOVO).

Publicado originalmente no antigo site da FENECAP na plataforma Wix em 11 de junho de 2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: