Passado, presente e futuro do Campo de Públicas

*Matheus Silva

Hoje vai ser uma festa, bolo e guaraná…

Muito Campo de Públicas para você!

Começo o meu texto de forma animada porque fico de fato empolgado com os 10 anos de FENEAP. Foi muito chão, muita história. E muita conquista! 

 

Visualizo que o Campo de Públicas começou com um grupinho tímido de pessoas que

chegaram atrasadas em uma festa que não conheciam mais ninguém:

 

Estudamos direito, mas não somos advogados; estudamos ciências sociais, mas não

somos sociólogos; estudamos economia, mas não somos economistas; estudamos

administração, mas não somos como os administradores de empresas.

Isso fez com que fosse feito uma reflexão aonde encontraríamos mais pessoas como a

gente? E, principalmente, o que nós somos de fato?

Julgo que essa “ausência inicial” de identidade despertou uma força associativa MUITO

grande no campo de públicas. Cada estudante e professor se tornou um diplomata do

campo de públicas, sempre apresentando para quem quer que fosse. Deixamos de ser um grupo tímido, para ser uma rede estabelecida, com diversos fóruns e espaços de diálogo e articulação, de pessoas capacitadas, críticas e com um profundo desejo de impactar positivamente o País.

Contudo ainda acho que isso seja pouco. Eu tenho a plena convicção que para o tema da profissionalização da administração pública entrar para a agenda do país nós precisamos botar nossa cara no sol.

 

A campanha do Programa Residência em Gestão Municipal representa um grande avanço na profissionalização da administração pública, um golaço.

Mas temos que chegar no cidadão comum e nos tomadores de decisão. Não podemos nos dar ao luxo de debater administração pública apenas nas nossas universidades ou nos gabinetes que temos acesso. Temos que convencer o País que investir na

profissionalização não é apenas um ótimo investimento, mas é O MELHOR investimento

que pode ser feito no nosso país.

 

As vezes penso que ainda falta nos convencer sobre isso. As vezes não fica claro nem

mesmo para nós qual é o impacto da nossa profissionalização, como e aonde o Pais

ganha com isso. Não vamos conseguir elevar o nível de debate se não tivermos respostas consistentes. 

Vejo essa questão como o principal ponto do campo de públicas hoje: como convencer a população, gestores e até mesmo políticos de que o campo de públicas é uma saída para a crise institucional que o setor público já vive a tempos? A nossa missão diária deve ser responder essa pergunta.

 

Devemos profissionalizar e universalizar o debate. Precisamos de pessoas debatendo nas padarias, nas filas de mercado e nos pontos de ônibus do Brasil. Mas também precisamos de pessoas competentes debatendo gestão pública no congresso, nas assembleias legislativas, nos governos estaduais e nos municípios.

 

Precisamos nos colocar como gente grande no atual cenário nacional. Precisamos ser

conhecidos, precisamos ser apoiados. Precisamos entrar para ganhar.

*Matheus Silva é ex-presidente da FENECAP.

Publicado anteriormente no antigo site da FENECAP na plataforma Wix em 11 de junho de 2019.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: